Pão das Cavernas (1º Episódio)

Paleo Bread
Meus ilustres leitores e devoradores de proteína, sei que tenho andado um pouco afastado da escrita e partilha de conhecimentos e experiências neste meu espaço, mas a vida é mesmo assim! 
Lamentavelmente este blogue e o tempo que perco com ele não me levam o pão à mesa, por isso nem sempre é prioridade na minha vida, mas vou tentar pôr-vos ao dia com tudo o que tenho feito e aprendido.
E já que falo de pão, vamos explicar o que é isto de Pão das Cavernas... 

Para quem se vai mantendo actualizado com tudo o que se passa no mundo da nutrição e alimentação humana, sabe que há uma dieta muito badalada de nome Dieta Paleolítica ou Paleo Diet, que está cada vez mais na moda!... Eu, na verdade, não sou muito de tendências, mas há algo nesta dieta que converge com a minha forma de pensar. 
Basicamente os seguidores desta dieta alimentam-se de carne, peixe, ovos, frutos e bagas (de preferência silvestres), frutos secos, sementes, vegetais e tubérculos. Não entram na Paleo Diet, os cereais, leguminosas, bolachas, enchidos, leite e tudo o que sejam produtos processados.

Basicamente é uma dieta onde a premissa é comer o que os nossos antepassados do paleolítico comiam. Alimentos que a natureza dispôs para nós, verdadeiros, não processados, alimentos ricos em nutrientes e que o corpo reconhece. Mais do que uma dieta, a Paleo Diet é um estilo de vida, que para alem de aconselhar alimentos aconselha a actividade física e o bem estar em geral. 
Diabéticos, celíacos e outras pessoas com algumas alergias alimentares (aos cereais, lacticínios, etc) podem beneficiar-se com com esta dieta.

O que mais me agrada a mim particularmente é comer carne!.. Como bom comedor de carne que sou, está dieta faz 100% o meu tipo!... A proteína é o macronutriente central na Dieta Paleo, e como tal, faz todo o sentido explorar este tipo de dieta na procura de soluções proteicas de qualidade e limpas de ingredientes vazios.

Para quem pretende iniciar-se ou perceber um pouco mais desta dieta pode clicar aqui. Vão encontrar um pequeno Tutorial explicando de forma simples o que é isto de comer como os nossos antepassados comiam!

E agora vamos lá tratar deste pão!

Bem, antes devo dizer que eu tenho uma costela de padeiro e talvez por isso me é difícil chamar de Pão a este tipo de receitas, contudo, vou manter a denominação de pão para não confundir as vossas cabecinhas.

Esta é a minha primeira tentativa de fazer um pão sem farinha (de trigo, centeio, aveia, etc). Tirando a broa de milho nunca fiz pão nenhum sem ajuda dessa substância elástica e mágica presente na maior parte dos cereais chamado de glúten!... sim esse que mata, dizem por aí!! Na verdade eu não posso dizer que tenha algo contra o glúten, nos meus bons tempos o meu Pai chegava a casa com 40 pães e eles desapareciam como se de um buraco negro se trata-se! bem... Eram quatro buracos negros mais precisamente!... Os meus irmãos e eu quando chegávamos da escola éramos quais almas insaciadas, quais cães esfomeados e cegos com a vontade de devorar 40 papo-secos com marmelada e manteiga como se não houvesse amanhã!... Sim, na verdade devo ter ingerido gluten suficiente para matar uns quantos celíacos!!..
Hoje já não sou assim, hoje sou consciente, e sobre tudo, hoje o meu metabolismo não é o mesmo que era a vinte anos atrás!... O glúten pode ser muito mau para o organismo e cada vez há mais provas disso mesmo, mas que faz maravilhas na culinária ai isso é que faz!
Já me alonguei que chegue nesta conversa de chacha, vamos la tratar do que interessa!

Para fazer este Pão vamos precisar de:

  110g Farinha de coco
    50g Sementes de linhaça dourada moída eu usei isto da Linwoods 
250ml Água (ou mais)
        5 Ovos XL
   50ml de azeite (ou óleo de coco, ou até mesmo manteiga)
        2 Colheres de sopa de Mel (opcional)
        1 Colher de chá de vinagre de sidra
        1 Colher de chá de bicarbonato de sódio ou fermento para bolos
        1 Pisca de Flor de sal

Como podem verificar pelos ingredientes, vamos obter um pão com muita proteína, baixo em hidratos de carbono e com uma densidade em nutrientes excelente!
Aconselho a seguir a receita tal e qual como está, não se aventurem já a fazer grandes mudanças, primeiro dominem a técnica e depois comecem a arriscar. Se por ventura a massa ficar muito seca adicionem mais água. A farinha de coco tem muita fibra (37%) e absorve muita água!... Os ovos podem ser de tamanho diferente aos que eu usei e isso vai alterar as contas em termos de humidade.
A massa tem que ficar grosseira e não muito líquida, tem que conseguir escorrer do recipiente para a forma.

 - Colocar de molho as sementes de linhaça na água por 10 minutos ou mais.



Pão Paleo
- Juntar os ingredientes secos num processador de alimentos (Para quem não tem aparelhos destes em casa e vai mexer à mão, mexer bem com um garfo ou whisk).

- Bater (noutro recipiente) os ovos, azeite, vinagre de sidra e mel.

- Juntar os ovos batidos e as sementes de linhaça com a água aos ingredientes secos e mexer até conseguir uma massa homogénea.


- Se a massa começa a ficar muito seca e dura adicionar mais água até conseguir uma massa consistente não tão líquida como a massa de um bolo mas não tão dura como para moldar.


- Untar uma forma de bolo inglês com óleo de coco e polvilhar com farinha de coco. Usei uma forma pequena de 21 x 11cm.


- Verter a massa na forma e colocar no forno pré-aquecido a 170º durante 40 a 50 minutos ou até furar com um palito e este sair seco. (não abrir o forno até os primeiros 30 minutos de cozedura) .


- Deixar arrefecer na forma durante uma hora pelo menos.


Confesso que o resultado surpreendeu-me, não estava, de todo, nada convencido com esta receita. Fica uma espécie de pão mais maciço e sem aquela goma que o gluten confere ao pão convencional. 


Deixo-vos aqui alguma imagens do resultado:



pão paleo
pao paleo

Podem fatiar o pão, torrar e barrar com queijo ricotta, manteiga de amendoim, doce de fruta, mel, etc. Depois de torrado os sabores e aromas ganham outra dimensão.
Após esta experiência não tenho dúvidas que vou continuar nesta odisseia de fazer um pão com muita proteína, baixo em hidratos e o mais nutritivo possível. 

Avaliação Final:


Este Pão surpreendeu pela positiva, é sem dúvida uma receita a experimentar. Muito bom, seja para comer "al natural", recheado ou barrado, é uma opção bem mais saudável que o pão tradicional. É pratico, pois podemos levar connosco e servir de snack portátil. As utilizações são muitas. Aqui deixo duas fotos onde podem ver uma torrada de Pão Paleolítico com manteiga de amêndoa e kiwi. Delicioso!










Espero que gostem, eu fiquei adepto e proximamente vou partilhar com vocês novos capítulos desta novela! 

21 comentários:

  1. Que aspecto maravilhoso! ao clicar nas imagens vê-mos as mesmas em zoom! que delicia! Parabéns pelo blog está muito lindo!

    Patrícia Meira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Patrícia! sim podemos ver as imagens mais de perto se clicar-mos nelas! :) Tem bom aspecto e sabor também, garanto!

      Eliminar
  2. Que espetaculooo. Pena a farinha de coco ser tao cara :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A que uso nesta receita é realmente muito cara, 11€ por meio quilo, mas acho que a provida lançou agora ao mercado uma farinha de coco, também biológica e bem mais em conta. 200g por 3€. Em todo caso nunca podemos comparar a farinha de coco a uma farinha de cereais (trigo, centeio, etc), pois esta tem um valor nutritivo completamente diferente: Proteína: 18g; Hidratos: 20g; Fibra: 37g; Gordura: 15g!
      Já agora parabéns pelo teu blog! Gosto muito! :)

      Eliminar
  3. Olá, onde posso encontrar farinha de coco? Obrigada

    ResponderEliminar
  4. Olá Joana podes encontrar aqui: http://www.purafibra.net/_plat2/p_zoom.cfm?cod_loja=59&frm_codigo=PFCOCO ou em qualquer loja dietética.

    Obrigado

    ResponderEliminar
  5. Receita muito boa! Experimentei uma com amêndoa e avelã e farinha de mandioca, de um site estrangeiro, mas o fato de chamarem Pão ao resultado final, é de boa vontade, o que sai é um bolo! Bom mas um bolo! O problema na receita que fiz foi passado dois dias continuava aparentemente em boas condições mas criou bolor por dentro. Bem certo que não sou grande cozinheiro mas dai a criar bolor! Fiquei tramado com a coisa. Este "pão" possui uma duração curta para ser consumido?

    PS: Grande site parabéns já algum tempo que procurava um site Nacional!

    ResponderEliminar
  6. Infelizmente ,sementes ( de qq tipo) de linhaça, não fazem parte da dieta paleo!!!.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verginia, não conheço nenhuma directriz da dieta paleo que proíba as sementes! Contudo não sou seguidor acérrimo de nenhum tipo de dieta em especial, costumo dizer que sigo a minha dieta e não as dos outros. Por isso não me prendo muito a esses pormenores, pois se vamos analisar bem as coisas certeza que não havia farinha de coco no paleolítico!... Já sementes havia de certeza!
      Obrigado pela visita!

      Eliminar
  7. Olá Master chef.
    Fiz essa receita com algumas modificações e o resultado foi horrível. Não sei se foram as modificações ou minha falta de costume com esse tipo de alimento.
    Comprei a linhaça marrom em vez da dourada e não coloquei o vinagre pois esqueci de compra-lo. E coloquei castanhas trituradas na massa.
    Você acha que pode ter sido isso? Além de tudo ficou quebradiço.
    Queria uma receita de pão que fosse salgada mesmo. Você tem outra?
    Abraço e parabéns pelo blog. Vou fazer outras receitas suas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Patrícia de facto isto não tem muito a ver com pão! não temos o gluten nem a levadura para nos ajudar! Por isto disse na receite para tentarem seguir a receita o mais ao pormenor possível pois tenho a noção que qualquer alteração poderá tornar o resultado completamente diferente, tanto para o bem como para o mal! Em breve vou postar outra receita de pão que suponho será mais simples e mais semelhante com o pão como o conhecemos! :)

      Eliminar
  8. Testado e aprovado :) Adoro o sabor e a textura.
    Parabéns pelo Blog :)

    ResponderEliminar
  9. Amei a receita. Nao usei vinagre e foi tudo meio no olho pois nao tenho balanca. Ficou simplesmente maravilhoso. O difícil é comer somente uma fatia! Vi que seu blog é .ie. Vc vive na Irlanda? Sou brasileira e vivo em Galway.

    ResponderEliminar
  10. Acabei de fazer este pão e está aprovadíssimo! Ah e a farinha de coco que usei foi homemade, o que o torna menos caro :)

    ResponderEliminar
  11. Já fiz o pão duas vezes mas sempre que o faço ele fica mt humido por dentro. É esse o resultado, ou estou a cometer algum erro? Não tenho conseguido colocar o forno a rodar os 170º porque teno feito num fogão a lenha. Será disso ou azeite/oleo de coco a mais?

    ResponderEliminar
  12. Olá. Será que dá para fazer esta receita com outra farinha? É que não gosto de coco!
    Obrigada

    ResponderEliminar
  13. Olá Ana, o resultado final não tem sabor a coco! a farinha tem um leve aroma mas depois de cozinhado torna-se muito subtil! Contudo podes trocar pela farinha de aveia mas terás que reduzir na água!

    ResponderEliminar
  14. Por conter ovos e mel o pão não é vegano como diz a tabela acima. Para isto estes ingredientes deveriam ser substituídos por ingredientes de origem vegetal, como por exemplo o gel de linhaça (para substituir os ovos) e maple syrup ou outro adoçante artificial como substitutos do mel para quem segue a dieta paleo. Ambos substitutos funcionam muito bem e uso frequentemente nas minhas receitas de bolos e pão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto não é vegan, foi um erro que já foi corrigido! obrigado pelo reparo e pela visita! ;)

      Eliminar